28/03/2010

Praia do Paraíso


Era a primeira vez que nus os nossos corpos
apesar da penumbra à vontade se olhavam
Surpresos de saber que tinham tantos olhos
que podiam ser luz de tantos candelabros
Era a primeira vez cerrados os estores
só rumor do mar permanecera em casa
E sabias a sal, e cheiravas a limos
que tivessem ouvido o canto das cigarras
Havia mais que céu no céu do teu sorriso
madrugava de tudo em tudo que sonhavas
Em teus braços tocar era tocar os ramos
que estremecem ao sol desde que o mundo é mundo
É preciso afinal chegar aos cinquenta anos
para se ver que aos vinte é que se teve tudo.

David Mourão-Ferreira

Sem comentários:

Enviar um comentário