18/06/2010

Outra boa noite


Boa noite à solidão,
Disse um dia quem me disse
Que a saudade é uma espera.
Dava o tempo e a razão
P’ra que a vida me despisse
A saudade que me dera.

Porque mais do que a vontade,
Mais que a sede dos meus dedos,
De hoje em ti eu me perder,
São os braços da saudade
Que se perdem nos meus medos,
No meu corpo a anoitecer.

Que a cada beijo que a vida
Me fez dar à solidão
Como um amor que não conheço,
Deu-me a voz da despedida
Que é muito mais que a razão
E que a voz de que me esqueço.

“Boa noite, noite fria,”
Digo às horas de amargura
Que se estendem noite fora.
“Boa noite”, disse um dia
Quem sentiu da noite escura
A tristeza desta hora.

Diogo Clemente

Sem comentários:

Enviar um comentário