26/10/2010

O elevador de Santa Justa



Podes caber à larga e não à justa no elevador de santa justa,
não te leva a parte nenhuma no sentido utilitário normal,
mas é a nossa torre Eiffel. Faz a experiência. Por sinal
é um caso em que não custa aprender à nossa custa:
variamente na vida e na ascese se flibusta,
e aprender à nossa custa é muito mais ascensional.

Podes subir ao miradouro se a altura não te assusta:
Lisboa é cor de rosa e branco, o céu azul ferrete é tridimensional,
podes subir sozinho, há muito espaço experimental.
Noutros elevadores há sempre alguém que barafusta,
mas não aqui: não fica muito longe a Rua Augusta,
e em Lisboa é o único a subir na vertical.

No Tejo há a barcaça, a caravela, a nau, o cacilheiro, a fusta,
luzindo à noite numa memória intensa e desigual.
Com o Cesário dorme a última varina, a mais robusta.
Não é para desoras o elevador de santa justa,
arrefece-lhe o esqueleto de metal,
mas tens o dia todo à luz do dia. Não faz mal.

Vasco Graça Moura

1 comentário:

  1. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar