11/01/2011

Presença



Cheio da tua ausência,
Nem sinto a solidão.
Vida, mulher ou mãe,
Feminina saudade,
Enche-me a paz que tem
A morte, a viuvez e a orfandade.


Negativo do amor,
E sua face ainda,
O já não ser amado
È uma pena suspensa
Que liga eternamente o condenado
Ao juiz da sentença.


Triste convívio, basta-me, contudo
Todo de luto, mudo,
Cumpro os deveres humanos,
Limpo o suor da testa,
E atravesso os anos
Fiel ao desespero que me resta.

Miguel Torga

Sem comentários:

Enviar um comentário