28/05/2011

Silêncio...

Chorei-te tanto que o Tejo transbordou sem que ninguém entende-se porquê.
As colinas de Lisboa começaram a verter aguas e toda a gente a procurar as fontes, por entre os prédios, os automóveis e a calçada que veste a cidade.
Os dias ficaram baços, pesados, e as pessoas sentiram no peito a mesma dor que eu sentia, como se a pujança deste sofrimento fosse maior do que a própria mãe natureza.
Chorei-te dias a fio e depois parei.
Parei de chorar. Parei de pensar. Parei de viver.
E quando ontem te encontrei na rua, e trocamos palavras de circunstância e me disseste quão bem eu estava, o meu rosto sorriu, tenho a certeza, arredei delicadamente uma madeixa de cabelo que teimava em cobrir-me o rosto, o vento lambia-nos aos dois, conversamos sobre o vento e a chuva.
Estou segura que acreditaste que era eu que ali estava. Aliás toda a gente acredita. É absurdamente fácil fingir que estamos vivos.
 
Luísa Castel Branco

1 comentário:

  1. Olá, Amiga "Sargaceira":
    é inútil te falar como eu gosto daquilo que escreve a Luísa! Sai-lhe do coração, estou certo disso!...
    Depois, tantas vezes, é revermo-nos naquilo que ela tá a escrever e que nós, tentas vezes, pensámos... mas TANTAS...!!!
    Abração, minha querida Amiga.
    Boa Semana pra TI.
    Antonio Rui

    ResponderEliminar