17/08/2011

Agora, apodrecer...



Agora, apodrecer.
Nas ruas, no suor das mãos amigas dos amigos, na pele dos espelhos…
desespero sorrido, carne de sonho público, montras enfeitadas de olhos…

…mas apodrecer.

Bolor a fingir de lua, árvores esquecidas do princípio do mundo…
”como estás, estás bem?”, o telefone não toca! devorador de astros…

… mas apodrecer.

Sim, apodrecer
de pé e mecânico,
a rolar pelo mundo
nesta bola de vidro,
já sem olhos para aguçar peitos
e o sol a nascer todos os dias
no emprego burocrático de dar razão aos relógios,
cada vez mais necessários para as certidões da morte exata,

Sim, apodrecer …

…as mãos, a cólera, o frio, as pálpebras, o cabelo
a morte, as bandeiras, as lágrimas, a república, o sexo…

… mas apodrecer!

Sujar estrelas.


José Gomes Ferreira



Sem comentários:

Enviar um comentário