31/05/2011

Os caminhos do Senhor







O folheto "Preparação Para a Primeira Comunhão" ofereceu-mo o senhor Cónego, repleto de ordens úteis: não comer nem beber depois da meia noite para não misturar Jesus com o rosbife, vestir a melhor roupa mas com mangas compridas dado que Deus odeia a carne ao léu, receber a hóstia sem lhe tocar com os dentes

Se eu soubesse dizer-te o que sinto. Se pudesse abrir o peito para tu veres lá dentro, cheio de postais ilustrados, com pombinhos e fitas cor de rosa, um gato a sair de uma bota velha, um menino, mascarado de palhaço, a chorar uma única lágrima, um bambi cromado sobre o naperon, duas rolas de loiça a juntarem os bicos, andorinhas como as que tenho na varanda da casa, envernizadas, tão lindas. Se calhar já não há nada disso, como não há armários de fórmica e mobília de quarto quinane, nem azulejos que dizem Cuidado Com O Cão ou Entra Amigo A Casa é Tua, nem Alziras, nem Lucindas, nem Custódias, como não há Vítores Manueis nem Edgares, o que o mundo mudou. O Almanaque da Sãozinha onde pára, sonetos de senhoras sensíveis nos jornais. Quando eu era pequeno deram-me um livro de poemas, com o título de Hóstia Florida, escrito por um cónego sensível, chamado Monsenhor Moreira das Neves, que me lembro de ver em casa de uma tia-avó minha, bebendo chás virtuosos, gordo, cheio de opiniões e bondade, muito dado às torradas. Foi a minha primeira grande influência literária e, na minha opinião, o título Hóstia Florida era um achado de génio. Lembro-me do Monsenhor Moreira das Neves declarar, enquanto a minha tia-avó me mostrava a obra com respeito
- Vende-se como pão
e de me surpreender a imagem, vinda de um espírito tão delicado e fino, a apanhar as migalhas da batina com o indicador molhado em cuspo, sob a fotografia emoldurada do doutor Salazar a apertar a mão ao senhor Cardeal Patriarca, unidos num sorriso afectuoso e digno porque se vivia numa época de respeito, avessa ao casamento civil e ao comunismo ateu, duas expressões que não percebia o que significavam mas que, a calcular pela opinião das pessoas responsáveis, eram coisas perigosas e desumanas, que podiam ser evitadas pela leitura da Vida Exemplar De São Luís Gonzaga, acompanhada da história de um outro menino francês que ofereceu a existência em troca da conversão do padrinho, o qual se persignou, ajoelhado, diante da urna e, a partir desse momento, se tornou exemplar e esmoler, outra expressão difícil, dedicado aos leprosos que no princípio do século, ou seja mil e novecentos, mil novecentos e tal, enxameavam Paris, vivendo nas grutas que rodeiam a torre Eiffel e descendo os Campos Elísios de gatas e aos guinchos, cobertos de percevejos e trapos. Ao perguntar ao Monsenhor Moreira das Neves acerca das grutas que envolvem a torre respondeu, sempre a catar migalhas
- De certeza que há mas talvez não sejam assim tantas, para aí umas trinta
e aí temos o motivo de eu não gostar de Paris: imagine-se um leproso atrás de nós a pedir esmola, incapaz de apanhar migalhas porque não tem dedos e refugiando-se depois nas savanas dos Campos Elísios, onde o padrinho exemplar e esmoler lhe oferecia bavaroises e canards à l'orange, que são o equivalente de pão da véspera para nós, a fim de o aliviar das torturas da fome, acrescentado do folheto Preparação Para a Primeira Comunhão, destinado ao ensinamento salutar das almas transviadas. O folheto Preparação Para a Primeira Comunhão ofereceu-mo o senhor Cónego, repleto de ordens úteis: não comer nem beber depois da meia noite para não misturar Jesus com o rosbife, vestir a melhor roupa mas com mangas compridas dado que Deus odeia a carne ao léu, receber a hóstia sem lhe tocar com os dentes
(muita atenção a este ponto)
não a descolar do céu da boca com o mindinho, consentindo apenas que a saliva
(o termo cuspo não é da estima divina)
ajude Jesus a deslizar sem riscos até um estômago devidamente limpo
(estou a citar)
templo interior adequado à recepção da Graça. Para onde é que a Graça ia depois a Preparação não falava, mas presumia-se que não se puxava o autoclismo, no dia seguinte, enviando-a para o Tejo através dos esgotos da Cruz Quebrada: Jesus não era pessoa para trambulhar com o lixo e decerto que se elevava do estômago até à alma através de misteriosos tubos que possuímos cá dentro, destinados ao trajecto barriga-céu sem paragens intermediárias. À questão
- Onde é que eu tenho a alma?
o senhor Cónego elucidava-me designando o tecto com o queixo, para além do tecto o vizinho de cima que batia na mulher, estremecendo o lustre e, para além do vizinho de cima, que trabalhava de contrabandista, ajudando as hóstias a ultrapassarem a fronteira do telhado, a alma à espera de Jesus numa impaciência gulosa, unindo-se num abraço casto
(Não penses em porcarias, miúdo eu que não pensava em porcarias, me maravilhava só)
que nos colocava mais perto de uma eternidade de bem-aventuranças
(O que são bem-aventuranças? Tanta pergunta cansa-me)
cujo significado eu descobriria mais tarde
(Hás-de descobrir isso mais tarde)
quando a experiência da vida me ensinasse
(A experiência da vida há-de ensinar-te, garoto)
a distinguir subtilezas que a minha pouca idade me impedia de visionar
(Visionar quer dizer ver, pateta)
com a clareza que o Espírito Santo não deixa de conferir às pessoas honestas, característica que a avaliar pela generosidade das torradas da minha tia-avó e do seu espírito naturalmente bondoso
(naturalmente bondoso julgo que relacionado com a qualidade do chá Este chá é um primor, minha senhora)
eu herdaria certamente. É possível que tenha herdado o espírito naturalmente bondoso
(item número dezanove do seu testamento: ao meu sobrinho-neto lego o meu espírito naturalmente bondoso)
dado que nem um tostão abichei com a sua morte. Os outros apropincuaram-se com o dinheiro e os tarecos, mas o espírito bondoso já cá canta, só que até hoje não me rendeu fosse o que fosse, a não ser chamares-me
-Parvo
a cada passo e eu, humilde, a escutar-te, pensando se soubesse dizer-te o que sinto, se pudesse abrir o peito para tu veres lá dentro, e os postais ilustrados, os pombinhos, os bambis, os naperons, as rolas, a tralha toda com que te afoguei ao princípio da crónica, tu, aproveitando uma pausa, a comunicares-me
-Não esperes por mim para jantar
pondo, à pressa, mais perfume, visto que a buzina de um automóvel te chama da rua, e o Jorge é suficientemente impulsivo para nos entrar casa dentro.

António Lobo Antunes
Fonte. revista "Visão"

28/05/2011

Silêncio...

Chorei-te tanto que o Tejo transbordou sem que ninguém entende-se porquê.
As colinas de Lisboa começaram a verter aguas e toda a gente a procurar as fontes, por entre os prédios, os automóveis e a calçada que veste a cidade.
Os dias ficaram baços, pesados, e as pessoas sentiram no peito a mesma dor que eu sentia, como se a pujança deste sofrimento fosse maior do que a própria mãe natureza.
Chorei-te dias a fio e depois parei.
Parei de chorar. Parei de pensar. Parei de viver.
E quando ontem te encontrei na rua, e trocamos palavras de circunstância e me disseste quão bem eu estava, o meu rosto sorriu, tenho a certeza, arredei delicadamente uma madeixa de cabelo que teimava em cobrir-me o rosto, o vento lambia-nos aos dois, conversamos sobre o vento e a chuva.
Estou segura que acreditaste que era eu que ali estava. Aliás toda a gente acredita. É absurdamente fácil fingir que estamos vivos.
 
Luísa Castel Branco

27/05/2011

Para hoje


É preciso ficar, aqui, entre os destroços,
E cinzelar a pedra e recompor a flor.
É preciso lançar no vazio dos ossos
A semente do amor.

É preciso ficar, aqui, entre os caídos,
E desmontar o medo e construir o pão.
É preciso expulsar dos cegos dias idos
A insónia da prisão.

É preciso ficar, aqui, entre os escombros,
E libertar a pomba e partilhar a luz.
É preciso arrastar, pausa a pausa, nos ombros,
A ascensão de uma cruz.

É preciso ficar, aqui, entre as ruínas,
E aferir a balança e tecer linho e lã.
É preciso o jardim a envolver oficinas:
É preciso amanhã.

ANTÓNIO MANUEL COUTO VIANA

25/05/2011

Poeta lírico


Não me peças a vida
(É já tão pouca!):
Deixa-ma esquecida.
Poupa-a!

 Pega-me apenas na mão:
Aperta-a.
Dá-me calor e compreensão.
Faz-me sentir, ainda, o teu poeta.

 Embora velho e antigo
No ideal, na estética, no gosto,
Vem comigo
Caminho do sol-posto.

António Manuel Couto Viana

23/05/2011

Amor



Aqueles olhos aproximam-se e passam.
Perplexos, cheios de funda luz,
doces e acerados, dominam-me.
Quem os diria tão ousados?
Tão humildes e tão imperiosos,
tão obstinados!

Como estão próximos os nossos ombros!
Defrontam-se e furtam-se,
negam toda a sua coragem.
De vez em quando,
esta minha mão,
que é uma espada e não defende nada,
move-se na órbita daqueles olhos,
fere-lhes a rota curta,
Poderosa e plácida.

Amor, tão cheio de Amor;
Que sensível és...
Sensível e violento, apaixonado.
Tão carregado de desejos!
Acalmas e redobras
e de ti renasces a cada hora
Cordeiro que se encabrita e enfurece
e logo recai na branda impotência.

Canseira eterna!
Ou desespero, ou medo.
Fuga doida à posse, à dádiva.
Tanto bater de asas frementes,
tanto grito e pena perdida...
E as tréguas, amor cobarde?
Cada vez mais longe,
mais longe e apetecidas.
Ó amor, amor,
que faremos nós de ti
e tu sem nós?

Irene Lisboa

21/05/2011

Ainda que mal pergunte...

Ainda que mal pergunte
Ainda que mal te pergunte,
Ainda que mal respondas;
Ainda que mal te entenda,
Ainda que mal repitas;
Ainda que mal insistas,
Ainda que mal desculpes;
Ainda que mal me exprima,
Ainda que mal me julgues;
Ainda que mal me mostre,
Ainda que mal te encare,
Ainda que mal te furtes;
Ainda que mal te siga,
Ainda que mal te voltes;
Ainda que mal te ame,
Ainda que mal o saibas;
Ainda que mal te agarre,
Ainda que mal te mates;
Ainda assim, pergunto: Amas-me?
E me queimando em meu peito
Me salvo e me dano….
…de AMOR!!!

Carlos Drummond de Andrade

19/05/2011

Quinto poema do pescador

Eu não sei de oração senão perguntas
ou silêncios ou gestos de ficar
de noite frente ao mar não de mãos juntas
mas a pescar.
Não pesco só nas águas mas nos céus
e a minha pesca é quase uma oração
porque dou graças sem saber se Deus
é sim ou não.

Manuel Alegre

17/05/2011

Para atravessar contigo o deserto do Mundo



Para atravessar contigo o deserto do mundo
Para enfrentarmos juntos o terror da morte
Para ver a verdade para perder o medo
Ao lado dos teus passos caminhei.

Por ti deixei meu reino meu segredo
Minha rápida noite meu silêncio
Minha pérola redonda e seu horizonte
Meu espelho minha vida minha imagem
E abandonei os jardins do paraíso.

Cá fora, à luz, sem véu, do dia duro
Sem os espelhos vi que estava nua
E ao descampado se chamava tempo

Por isso com teus gestos me vestiste.
E aprendi a viver em pleno vento.

Sophia de Mello Breyner e Andresen

16/05/2011

Como é que...


Como é que eu,
ouvindo tão mal, distingo
o teu andar desde o princípio do corredor?

Como é que eu,
vendo tão pouco, sei
que és tu que chegas, conforme a luz?

Como é que eu,
de mãos tão ásperas, desenho
a tua cara mesmo tão longe dela?

Onde está
tudo o que sei de ti
sem nunca ter aprendido nada?

Serei ainda capaz
de descobrir a palavra
que larga o teu rasto na janela?

(Que seria de nós
se nos roubassem os pontos de interrogação?)

Mário Castrim

15/05/2011

Meu corpo que mais receias?

-Meu corpo, que mais receias?
-Receio quem não escolhi.

-Na treva que as mãos repelem
os corpos crescem trementes.
Ao toque leve e ligeiro
O corpo torna-se inteiro,
Todos os outros ausentes.

Os olhos no vago
Das luzes brandas e alheias;
Joelhos, dentes e dedos
Se cravam por sobre os medos...
Meu corpo, que mais receias?

-Receio quem não escolhi,
quem pela escolha afastei.
De longe, os corpos que vi
Me lembram quantos perdi
Por este outro que terei.

Jorge de Sena

11/05/2011

Epitáfio



Ainda correm lágrimas pelos
teus grisalhos, tristes cabelos,
na terra vã desintegrados,
em pequenas flores tornados.

Todos os dias estás viva,
na saudade pensativa,
óh simples alma grave e pura,
livre de qualquer sepultura!

E não sou mais do que a menina
que a tua antiga sorte ensina.
E caminhamos de mão dada
pelas praias da madrugada.

Cecília Meireles

10/05/2011

Outra imagem



Conheço o mundo dos mortos. É frio, com terra
por cima, restos de tábuas, ossos desfeitos pelos invernos.
Os mortos vêem-nos: de onde estão, eles chamam pelos nomes
familiares, num murmúrio, e o vento dispersa-lhes os sopros
— música de ciprestes. Por isso, há quem ande entre as campas,
ao fim da tarde, com os ouvidos tapados; quem reze,
entre lábios, datas estéreis como as antigas pedras;
quem persiga a própria sombra, temendo que ela desapareça
sob a erva fresca. Memórias vagas e finais, atormentando-me
num secreto espelho - no canto de mim, absorto
e pálido, quem, me diz o nome, em silêncio, sem olhos,
sem lábios, sem os cabelos que outrora toquei?

Nuno Júdice

09/05/2011

Poema do Amor Perfeito







Naquela nuvem, naquela,
mando-te meu pensamento:
que Deus se ocupe do vento.

Os sonhos foram sonhados,
e o padecimento aceito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Imensos jardins da insónia,
de um olhar de despedida
deram flor por toda a vida.

Ai de mim que sobrevivo
sem o coração no peito.
E onde estás, Amor-Perfeito?

Longe, longe, atrás do oceano
que nos meus olhos se aleita,
entre pálpebras de areia...

Longe, longe... Deus te guarde
sobre o seu lado direito,
como eu te guardava do outro,
noite e dia, Amor-Perfeito.

Cecília Meireles

08/05/2011

Espaço Curvo e Finito




Oculta consciência de não ser,
Ou de ser num estar que me transcende,
Numa rede de presenças
E ausências,
Numa fuga para o ponto de partida:
Um perto que é tão longe,
Um longe aqui.
Uma ânsia de estar e de temer
A semente que de ser se surpreende,
As pedras que repetem as cadências
Da onda sempre nova e repetida
Que neste espaço curvo vem de ti.

 José Saramago

07/05/2011

Esgotei o meu mal


Esgotei o meu mal, agora
Queria tudo esquecer, tudo abandonar
Caminhar pela noite fora
Num barco em pleno mar.

Mergulhar as mãos nas ondas escuras
Até que elas fossem essas mãos
Solitárias e puras
Que eu sonhei ter.


 Sophia de Mello Breyner

05/05/2011

O silêncio da vida



No início, é a capacidade de sonhar que se desvanece, devagarinho, quase sem darmos por isso. Depois, deixamos de ter expectativas, porque doem de mais, cada uma parece conduzir a mais um desengano, mais alguém que nos deixa magoados, perdidos perante a realidade. Depois, pouco a pouco, um pedacinho de cada vez, o silêncio instala-se dentro de nós, toma conta da alma e do coração, larga amarras e não parece que um dia parta.
Então submergimos nos dias, nas rotinas. Fazemos o que é esperado, sem levantar a voz, sem queixumes ou argumentações. Para quê? Não vale a pena.
E é quando chegamos aqui, a este momento exacto em que descobrimos com surpresa que nada parece valer a pena, que enco-lhemos como uma flor murcha, sentimos sem saber como, que definhamos por dentro, dia após dia.
Os outros dirão que ganhámos maturidade, que somos agora pessoas muito mais cordatas e pacificadoras. E nós acenamos com a cabeça, colamos o sorriso na cara e dentro de nós uma vozinha grita que não, que agora estamos a morrer e dantes vivíamos. Mas a vida é isto mesmo. Se calhar, o mesmo acontece àquele que trabalha ao nosso lado, à vizinha do terceiro andar, à amiga de toda a vida.
Mas evitamos falar do assunto, como se ao transformarmos este mal-estar em palavras, ele se tornasse muito mais real, muito mais concreto. É mais fácil assim. Sentamos à mesa e ouvimos os filhos falarem, tão cheios de certezas, tão seguros de si. E vêem-nos à memória o tempo em que também tínhamos certezas, o tempo em que não nos rendíamos, ah! Foi há tão pouco e parece ter sido noutra vida!

Luísa Castel-Branco

03/05/2011

Canção Póstuma



Fiz uma canção para dar-te;
porém tu já estavas morrendo.
A Morte é um poderoso vento.
E é um suspiro tão tímido, a Arte...

É um suspiro tímido e breve
como o da respiração diária.
Choro de pomba. E a Morte é uma águia
cujo grito ninguém descreve.

Vim cantar-te a canção do mundo,
mas estás de ouvidos fechados
para os meus lábios inexactos,
— atento a um canto mais profundo.

E estou como alguém que chegasse
ao centro do mar, comparando
aquele universo de pranto
com a lágrima da sua face.

E agora fecho grandes portas
sobre a canção que chegou tarde.
E sofro sem saber de que Arte
se ocupam as pessoas mortas.

Por isso é tão desesperada
a pequena, humana cantiga.
Talvez dure mais do que a vida.
Mas à Morte não diz mais nada.

Cecília Meireles

01/05/2011

CORAÇÃO SEM IMAGENS



Deito fora as imagens,
Sem ti para que me servem
as imagens?
Preciso habituar-me
a substituir-te
pelo vento,
que está em toda a parte
e cuja direcção
é igualmente passageira
e verídica.
Preciso habituar-me ao eco dos teus passos
numa casa deserta,
ao trémulo vigor de todos os teus gestos
invisíveis,
à canção que tu cantas e que mais ninguém ouve
a não ser eu.
Serei feliz sem as imagens.
As imagens não dão
felicidade a ninguém.
Era mais difícil perder-te,
e, no entanto, perdi-te.
Era mais difícil inventar-te,
e eu te inventei.
Posso passar sem as imagens
assim como posso
passar sem ti.
E hei-de ser feliz ainda que
isso não seja ser feliz.

Raul de Carvalho