28/03/2012

Não posso...

Não posso
adiar o amor para outro século
não posso
ainda que o grito sufoque na garganta
ainda que o ódio estale e crepite e arda
sob as montanhas cinzentas
Não posso adiar este braço
que é uma arma de dois gumes amor e ódio
Não posso adiar
ainda que a noite pese séculos sobre as costas
e a aurora indecisa demore

não posso adiar para outro século a minha vida
nem o meu amor
nem o meu grito de libertação.

António Ramos Rosa

Sem comentários:

Enviar um comentário