30/06/2012

Desperto...




Desperto...
Sem querer ir,
Nem ficar,
Sem agrado por acordar.
... Por dentro um vazio,
Negro como breu.
Desprovido de máscara
E cansado de ser eu,
Decido só o corpo levantar.
Fica a mente deitada em casa.
Mando o canastro passear.
Espreito-o pela janela.
Deambula errante.
Percorre-me o ser
Por um instante,
Amarga consolação.
Não vou estar só neste dia,
Terei por companhia, a solidão.


 Luís Contumélias ln: "Soltas”

Sem comentários:

Enviar um comentário