19/11/2012

Diz o meu nome

Diz o meu nome
pronuncia-o
como se as sílabas te queimassem os lábios
sopra-o com
a suavidade
de uma confidência
 para que o escuro apeteça
para que se desatem os teus cabelos
para que aconteça

Porque eu cresço para ti
sou eu dentro de ti
que bebe a última gota
e te conduzo a um lugar
sem tempo nem contorno

Mia Couto

1 comentário:

  1. Vale a pena ler e reler este poema. Senti-lo e confidenciar o nome da amada aos ventos que o transportam de retorno com maior suavidade e o encanto de uma paixão.

    ResponderEliminar