21/11/2014

Ninguém...



Ninguém me foi tão próximo. Ninguém me escapou tanto.
Como foi que constantemente nos encontrámos e nos perdemos?


Manuel Alegre

Sem comentários:

Enviar um comentário