22/12/2014

Um pouco de Ternura...




Nos olhos dela habitava a bondade. Um doce sorriso embalava-lhe os lábios, e a face transparecia a tranquilidade interior de quem não fora punida pelo despeito nem agredida pelo ressentimento. Era ainda nova: vivia na linha de sombra que tenuemente divide a idade das pessoas, entre maduras e velhas. De onde viera? Que idade tinha? Ninguém sabia. Por vezes, pintava os lábios murchos. Por vezes, exibia largos decotes e mangas cavadas, eis o traço lascivo dos seios, eis os braços roliços, opulentos e sensuais. Era alta, quase imponente; porém, quando subia a rua íngreme, parecia alada, os pés quase não tocavam no chão.

Aparecera no bairro e logo se organizara uma aura de mistério em sua volta. Apesar da estatura, mantinha-se discreta e reservada, pouco falava com os vizinhos. Havia dias em que cantava; cantava alto velhas canções de amor. Nas tardes de sábado, os homens reuniam-se no clube, jogavam ao loto e à sueca e, ocasionalmente, embebedavam-se.

Ela residia num pequeno apartamento, mesmo por cima do clube. Gostava de se colocar à varanda, e os homens fitavam-na, gulosos, ávidos e sôfregos. Fingia não os ver. As mulheres remoíam raivas e amuos. Ela observava o horizonte, lá, onde o Tejo forma uma laçada, e permanecia assim: abstracta, atenta e exposta. Mas gostava que a apreciassem, e divertia-se com o ciúme das outras. Às vezes dançava ao som de uma pequena telefonia. Dançava como se estivesse a dançar com o mundo, ou, quem sabe?, a pensar em alguém que amara.

As geografias sentimentais são mais ou menos favoráveis: o bairro era bom e valia tudo o que de ele se dissesse; o resto era mau, e tudo o que de pior se dissesse nunca seria excessivo. Começaram as intrigas, as suposições pérfidas, as calúnias evasivas. Não lhe perdoavam a beleza, a dignidade da postura, a pequena viração de altivez que dela se desprendia.

Suspeitaram de tudo: que era prostituta, que vivia às custas de um proprietário de imóveis, que fazia números de nu em cabarés rascas. Chegou-lhe aos ouvidos a natureza insidiosa desses boatos. Não lhes atribuiu a menor importância, o que ainda mais arreliou as outras.

Saía de casa logo pela manhã, regressava tarde, ocasionalmente ausentava-se pela noite. Acumulavam-se as suspeições. Até que, certo dia, deixou de aparecer. O falatório aumentou. Coisas medonhas foram ditas, como se de verdades se tratassem. Correu o tempo; uma semana passou, outra, e outra ainda. Para onde fora? Que seria feito dela? E se ele não regressasse, não pudesse regressar ou não quisesse regressar?

Depois, houve quem a visse. Era numa tarde em que a chuva, lamentosa, caía forte. Desapareceu no cotovelo da rua, quem a viu acelerou o passo para descortinar aonde ela ia. Entrou num prédio alto e antigo, de azulejos, e ao perseguidor assaltou a ideia de que a vizinha misteriosa talvez fosse mulher-a-dias. Este indivíduo tivera, em tempos, a veleidade de se relacionar com ela; porém, fora rejeitado com uma frase breve e ríspida. Era o ressentimento que o incitara àquela infausta perseguição.

Horas e horas decorreram. A chuva deixara de cair, o homem encostara-se a uma árvore, sem abandonar a vigilância ao prédio. Até que, finalmente, ela reapareceu. Olhou em derredor e, rapidamente, aproximou-se da árvore onde o outro se ocultava. Atrapalhou-se, o homem. E ela disse:

— Quer saber o que eu faço, não é?
— Bom…bom — Não sabia o que responder.
— Olhe: vendo ternura.

E desandou. Agora, uma brisa mansa, um vento acariciador, um pio de ave, e o silêncio. Era assim: todos os dias, ou quase, ela visitava casas de gente idosa, e recebia escassos euros para lhes ler jornais, revistas ou livros de histórias cordatas com finais felizes. Simplesmente um pouco de ternura.

Voltou à rua para se despedir da rua e ignorar as pessoas. As pessoas juntaram-se, viram-na subir o calçadão, puxar pelas pernas para escalar a escadaria enorme. Durante algum tempo pensaram nela. Nunca ninguém soube o seu nome, nem se foi feliz na vida.

Anos depois, um modesto cronista contou-a numa crónica humilde.

Baptista Bastos
foto desconheço Autor

10 comentários:

  1. «Voltou à rua para se despedir da rua e ignorar as pessoas.» Esta frase é lapidar.

    Boa tarde. Boas leituras e bom Natal.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boas leituras, sempre!!!
      Bom Natal também para ti!

      Eliminar
  2. Olá, Maria Adelaide.

    Que lindo e encantador é o seu cantinho/espaço/blog, o que mais gostar que lhe chamem. Já andei por cá, mas, sem tempo para comentar, decidi voltar a esta hora que é quando disponho de mais tempo livre.

    Não poderia ter escolhido melhor hora! Adoro tudo o que escreve Baptista Bastos! Esta narrativa vai-nos envolvendo numa teia de suspense e emoção. Adorei!

    Só discordo do verbo usado para designar o que a tal senhora , alta e atraente, fazia: "Vender"....

    Eu diria que ela alugava ternura. Algo que quando temos muito e a outros falta, se se cobra algo em troca, não se vende, pois deixamos de ter. Aluga-se e, assim, nunca se perde...

    Obrigada, por se ter feito minha seguidora. Farei o mesmo e aqui virei visitá-la, com todo o prazer!

    Desejo-lhe um FELIZ NATAL.

    Um beijinho.

    Janita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada, Janita, pelas suas palavras.
      Feliz Natal e muitas prendinhas, é um pouco do que lhe dessejo!
      Beijinhos.

      Eliminar
  3. O nosso BB

    Tudo pelo melhor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Escreve bonito...eu gosto!
      Bom Natal!
      Beijo

      Eliminar
  4. Feliz Natal Maria!

    Beijo

    ResponderEliminar
  5. Não sou fã do BB enquanto pessoa. Mas sou-o na escrita. Um Santo e Feliz Natal.

    ResponderEliminar
  6. Bom Natal e obrigada pela visita!

    ResponderEliminar