12/01/2015

Tudo o que tenho...





Tudo o que tenho não tem posse:
o rio e suas ocultas fontes,
A nuvem grávida de Novembro,
O desaguar de um rio em tua boca.
Só me pertence o que não abraço.
Eis como ao eterno me condeno:
Amo o que não tem despedida


Mia Couto
Foto desconheço Autor

4 comentários:

  1. Eis como ao eterno me condeno:
    Amo o que não tem despedida

    Adoro Mia Couto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então, já somos duas...
      Obrigada pela visita.
      Bj

      Eliminar
  2. Um excelente poema do Mia Couto.
    Fizeste uma bela escolha poética.
    Boa semana, querida amiga Maria Adelaide.
    Beijo.

    ResponderEliminar