28/02/2015

Sei bem que nunca serei ninguém..



Sim, sei bem
Que nunca serei alguém.
Sei de sobra
Que nunca terei uma obra.
Sei, enfim,
Que nunca saberei de mim.
Sim, mas agora,
Enquanto dura esta hora,
Este luar, estes ramos,
Esta paz em que estamos,
Deixem-me crer
O que nunca poderei ser.


Ricardo Reis

3 comentários:

  1. Que beleza de escolha. Como é divino o poder da poesia sobre nós, não é? Ouvir Chopin ao fundo, inquieta tanto quanto os versos! Me faz ficar pensativa!

    Beijooo'o

    ResponderEliminar
  2. Obrigada, Simone, pela tua visita! Bom domingo. Bj

    ResponderEliminar
  3. Adorei o poema ,na companhia duma bela foto...Beijinho amiga!

    ResponderEliminar