15/04/2015

Soneto do amor total




Amo-te tanto, meu amor... não cante
O humano coração com mais verdade...
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade.
Amo-te afim, de um calmo amor prestante
E te amo além, presente na saudade
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.
Amo-te como um bicho, simplesmente
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.
E de te amar assim, muito e amiúde
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

Vinicius de Moraes


4 comentários:

  1. Grande música...grande autor...grande escolha!!!

    ResponderEliminar
  2. Amar...
    Tan delicado y sentido como esa rosa presa de casualidad.
    El infortunio, quizás, ha querido que quede atrapada en sus espinas y las de la frontera hacia la que creía caminar.

    Mi abraz✴

    ResponderEliminar
  3. Amo mesmo e não tenho vergonha de falar...

    bjokas =)

    ResponderEliminar
  4. O texto é liiiindo.

    Um beijinho e bom fim-de-semana.

    http://agatadesaltosaltos.blogspot.pt/

    ResponderEliminar