28/05/2015

Insinceridade...


quis-nos aos dois enlaçados
meu amor ao lusco-fusco
mas sem saber o que busco:
há poentes desolados
e o vento às vezes é brusco

nem o cheiro a maresia
a rebate nas marés
na costa de lés a lés
mais tempo nos duraria
do que a espuma a nossos pés

a vida no sol-poente
fica assim num triste enleio
entre melindre e receio
de que a sombra se acrescente
e nós perdidos no meio

sem perdão e sem disfarce,
sem deixar uma pegada
por sobre a areia molhada,
a ver o dia apagar-se
e a noite feita de nada

por isso afinal não quero
ir contigo ao lusco-fusco,
meu amor, nem é sincero
fingir eu que assim te espero,
sem saber bem o que busco.


Vasco Graça Moura

1 comentário:

  1. O amor para vencer as barreiras do tempo, tem de ser verdadeiro, senão desfaz-se em espuma como as ondas do mar.
    Lindo poema, excelente escolha.
    Bom domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderEliminar