09/07/2015

Memória de um amor que nunca foi...


Bebedor de luas me embriago,
negro no fundo negro das vielas
e me dissolvo, sem passo, no abismo
onde o tempo naufraga sem lembrança.

Um rio sustenta a tua boca,
duas margens de água e carne,
duas feridas de um desejo que do corpo se perdeu.

Não fosse a tua boca
água nua esperando um barco
e morreria eu de amar,
e morrerias tu sem mar.

Mas do sempre que fomos
o que restou?
Silêncio aos pedaços,
palavras que em lágrima se soletram.

E são de aves
as folhas que tombam
e não há chão nem vento onde se deitem.

Melhor dormir se o tempo se faz sem ti
e guardar-te em sonho
até tu mesmo seres noite.

Desperto: todas as pedras secaram,
saudosas de carícia tua.
Todas as luas ficaram por nascer
sedentas dos olhos que são teus.

Depois volto a beber
o luminoso veneno em que escureço
e o dia regressa,
mendigo e magro,
buscando em mim
lembrança de um amor
que de tanto ser
não saberá nunca ter lembrança.


Mia Couto

3 comentários:

  1. Adoro o Mia e é uma bela poesia! Bj

    ResponderEliminar
  2. Lindo o poema de Mia Couto... mas sou suspeita para falar, pois Mia é um dos meus preferidos...

    ResponderEliminar
  3. Mia Couto maravilhoso! Igualmente maravilhosa a linda .postagem. Bjs.

    ResponderEliminar