10/03/2016

Faz-se luz ...


Faz-se luz pelo processo
de eliminação de sombras
Ora as sombras existem
as sombras têm exaustiva vida própria
não dum e doutro lado da luz mas no próprio seio dela
intensamente amantes loucamente amadas
e espalham pelo chão braços de luz cinzenta
que se introduzem pelo bico nos olhos do homem

Por outro lado a sombra dita a luz
não ilumina realmente os objectos
os objectos vivem às escuras
numa perpétua aurora surrealista
com a qual não podemos contactar
senão como amantes
de olhos fechados
e lâmpadas nos dedos e na boca


Mário Cesariny

2 comentários:

  1. Mário Cesariny foi um grande poeta surrealista. Penso, aliás, que foi ele quem introduziu o surrealismo em Portugal.
    Uma boa escolha poética.
    Gostei do seu blogue.
    Maria Adelaide, bom fim de semana.
    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Não conhecia...mas ainda bem que se faz luz!
    Bj

    ResponderEliminar